quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Sobre palavras de Karla Christine

Um idiota morto??
Este texto foi criado a partir de um e-mail recebido, cuja suposta autora seria uma mãe, e também profissional em psicologia clínica, chamada Karla Christine. Seu foco de acusação...
O conteúdo desse e-mail se encontra disponível aqui: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20091103074907AAzBPIH
Caso se sinta impulsionado a isso, mande seu ponto de vista.
Sempre útil conhecer opiniões diversas, sejam elas parecidas ou contrárias à nossa.

.




Falarei a respeito do e-mail "Cazuza, um idiota morto", como um complemento à já exposta opinião de meu colega Davi.
Creio que a autora do texto pode até ter alguma mensagem positiva para transmitir, entretanto, na minha convicção, foi muito infeliz em suas colocações.
Estou escrevendo isso, por ter achado grave a opinião dela, em diversos aspectos. Algumas coisas poderiam ser ignoradas, mas outras são bem sérias pelo conteúdo depreciativo, com potencial ofensivo não apenas ao Cazuza, que sequer pode se defender, mas a diversas outras pessoas, incluindo muitos pais. Isso atinge direta ou indiretamente a cada um de nós.
Não venho aqui defender as atitudes do Cazuza (também não venho condená-las, nem procurar motivos que as justifiquem), mas é inegável que a senhora Karla Christine apelou, sendo insensível e, até mesmo injusta, pois a vida particular daquela família não diz respeito a ela! Tampouco podemos nos achar capazes de julgar pais cujos filhos não se encaixaram nos padrões estabelecidos pela sociedade. Como, por exemplo, poderíamos condenar tantas mães e pais desesperados, que, portadores de semelhante ponto de vista, 
ou se deixando influenciar por tais opiniões, martirizam-se perguntando a si mesmos onde erraram na educação de seus filhos? Pior ainda: como podemos criticá-los tão friamente, com uma visão tão superficial e fragmentada de suas vidas. Algumas vezes os pais poderiam ter agido de forma melhor, em outras não, mas isso não vem ao caso.
A profissional mostrou sua opinião, também podemos mostrar a nossa.
Sei que não carrego diploma de um curso superior que pudesse trazer maior relevância a este conteúdo, mas isso não me impedirá.
Quero dizer que, cada vez mais, esperamos das pessoas menos moralismo e mais tolerância.
A censura do filme é 16 anos. Não sei se a filha adolescente da tal psicóloga tem essa idade ou não. Entretanto, o fato de haver censura, não é condição essencial para que todos aqueles com a idade mínima recomendada gostem; tampouco indica que todas essas pessoas deverão, obrigatoriamente, assistir ao filme, ou terminar uma sessão iniciada. Quem considera o enredo impróprio/ofensivo, ou se sente pouco à vontade diante do desenrolar das cenas, não é obrigado a vê-las. Se, não consideramos o protagonista da história como um modelo para nossos filhos e, mesmo assim, tenhamos optado por conferir a produção, conversemos com eles antes ou depois, com o cuidado de não torná-los preconceituosos ou de transmitir tal preconceito.
Outra questão abordada no texto da psicóloga foi o seu desejo de que só existam filmes referentes às pessoas que ela consideraria merecedora de admiração/idolatria, sendo as outras obras uma espécie de atentado ao pudor, pelo que podemos perceber. Considero sua opinião infundada, pois, com a atual política existente no Brasil, os cineastas (assim como diretores de teatro, produtores, escritores, poetas, pintores etc), normalmente, podem abordar o tema que queiram, não sendo culpa deles se consideramos o conteúdo impróprio. Ou deixaremos de produzir filmes que retratem a guerra, pois isso pode ser uma influência negativa para as crianças??
Cazuza pode não ser merecedor de um filme, de acordo com o pensamento de Karla Christine, que não compreende ou não aceita que ele o foi para tantas pessoas envolvidas no processo de criação, inclusive sua mãe.
Além disso, báh!, as pessoas possuem características diferentes, temperamentos diferentes, gostos diferentes. Por isso, os filmes também possuem conteúdos diferentes. Não é lógico?? O que seria, por exemplo, dos fãs de filmes de terror se só existisse os westerns nas locadoras?
A vida de Cazuza é, no mínimo, interessante para muita gente; caso contrário não teria sido inspiração para um longa-metragem.
O mesmo exemplo do que podemos chamar tolerância cultural, se estende para o nosso dia-a-dia, na tolerância/compreensão/respeito para com o outro.
Seria justo/bonito/aceitável/ético fecharmos um círculo de pessoas que consideramos “ideais” e imaginar que só elas nos interessam e que as atitudes do restante do mundo não nos dizem respeito?? Evoluiremos tapando nossa visão para o que ocorre ao nosso redor e tentando enxergar somente o que nos agrada?? E a tão falada diversidade mundial como fica?
O que é mais produtivo: buscar/exigir meios de evitar/diminuir o tráfico de drogas ou, simplesmente, falar mal de um cidadão X que teria praticado tráfico??? Creio que a segunda opção gere muito mais desgaste, tristeza e pessimismo na população nacional do que mobilização e resultados que, por si só, gerem progresso.
As pessoas representadas pelos atores, o Cazuza em específico, e as pessoas de um modo geral, possuem sua unicidade.
Se uma pessoa fosse como gostaríamos que ela fosse, ela não seria um ser humano, mas uma representação injusta de nossa vaidade.
Acredito que todos mereçamos um mínimo de respeito.
Também seria interessante que descêssemos um pouco do pedestal. Todos, temos alguma coisa a aprender com a história do outro, ora bolas!
Portadores do HIV, de “vida promíscua” ou não; LGBTs, de “vida promíscua” ou não; heterossexuais, de “vida promíscua” ou não; drogaditos, que queiram deixar o vício ou não; alcoolistas, que queiram se recuperar dessa doença ou não; ricos (“filhinhos de papai") ou não; filho de dono de gravadora ou não; artista exemplo de conduta, ou não; "santos e pecadores", de acordo com a percepção de cada um, assim rotulados ou não: TODOS nós somos parte de uma mesma espécie, possuidora de integrantes que são, ao mesmo tempo, iguais e diferentes entre si.
O próprio artista em questão, juntamente com Frejat, deixou seu recado também em seu conhecido "Blues da Piedade"...
Acreditem: o respeito é mais importante que a discriminação; as atitudes são mais importantes que as palavras.
Subestimar não é o melhor caminho.
Se eu quero ser um homem ou mulher exemplo e quero que meus filhos também o sejam, talvez esteja na hora de começar a avaliar o conteúdo de minhas palavras e ações, pois somos influências para eles. Não a única referência, mas uma referência especial.
Não chegaremos muito longe enquanto não deixarmos de procurar em terceiros, ou em nós mesmos, motivos para sermos melhores ou piores e passarmos a nos enxergar como realmente somos: habitantes da Terra, em igual condição de significância perante a natureza.
Não achei que isso fosse ficar tão grande, mas acho difícil reduzir agora.
Pensem como quiser, mas, por favor, não julguem pessoas.
Cada um possui sua própria "missão", seus interesses pessoais, seus objetivos.
Cada um possui suas próprias dificuldades, sua história de vida, sua percepção de vida, seus desejos de recomeçar, para ter um comportamento diferente, ou igual.
À família do Cazuza basta as dificuldades que encontraram e encontram. Para quê cutucar o que já é uma ferida se não temos certeza de muita coisa e não podemos mudar o que já ocorreu??
Como bem disse Caetano, "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é".
Se almejamos uma mudança positiva para o presente e para o futuro, não é na degradação de nossos semelhantes que ela será alcançada.
Sei que ela não é a única a fazer crítica desse gênero, mas ela fez, e ela (crítica) chegou até mim.
Cara Karla, não gostamos do artista e de sua arte pelo que podemos encontrar de negativo neles, mas sim por algo muito maior. Se sua filha gostar da arte do Cazuza, isso não será determinante para que ela seja uma réplica do mesmo.
Muitas vezes, acostumados com nossas próprias características, não conseguindo aceitar pessoas diferentes. Com isso, criamos um padrão de conduta, para nós mesmos, para o próximo e, principalmente, para as pessoas de vida pública, que muitos querem que sejam exemplos para os demais, se esquecendo que, assim como as demais, elas estão sujeitas a não agradarem a todos.
Exercitemos nossa reflexão, respeito, gentileza, tolerância.
É só uma opinião.
André, estudante.
Texto: André Medeiros

25 comentários:

  1. Espero que o fato da Sra. Karla Christine intitular-se psicóloga não venha a generalizar seus pontos de vista como se fossem ponto comum entre a classe, pois não o são. Pessoas leigas podem acreditar que isso é psicologia, uma vez que a autora não se apresenta como cidadã comum, quando, na verdade, seus comentários estão longe de qualquer embasamento teórico. Que sejam vistos como meras colocações de uma cidadã comum, que tem o direito de expressar suas idéias. Mirian - Psicóloga

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ela foi infeliz por d+ ...ainda sim acho o cara um gênio pois, ele mesmo criticava a tal burguesia e vida mimada q ele ñ keria levar.. vemos nas suas músicas a ironia de qd ele fala que " A burgueria fede!" ou que "Ideologia, quero uma pra viver" por já ñ acreditar no sistema q aí está pois "meus inimigos estão no poder"....infelizmente a doença maldita o levou por imprudência e pela porra louquice da vida q ele levava para tentar refugiar-se desse sistema....claro q ñ justifica , mas assim era cazuza, um cara inconformado com a droga desse país e que só através de suas músicas ele podia expressar-se...além de falar de amor e da vida como ninguém, pra que melhor do que Todo amor que houver nesta vida, "Faz parte do meu show", " O nosso amor a gente inventa", Codinome beija-flor, Pro dia nascer feliz, Exagerado?? CAZUZA é (E sempre ) será o cara! TEMOS Q PARAr de cultivar outros tipos de ídolos e heroínas louras aguadas e carinhas bonitas e ver o legado daqueles q já se foram, mas q suas palavras estão tão atuais como nunca!
    BRASIL MOSTRA SUA CARA!
    bjs e feliz ano novo!
    Ivana Figueredo

    ResponderExcluir
  4. Antes de tudo, já que todo mundo é tão esperto: o texto é mesmo de Karla Christine? Quem diabos é essa mulher? Todos os textos do Veríssimo, da Clarice, emails ridículos e sempre tendenciosos; de quem são?
    Quem escreveu esse texto foi mesmo infeliz, não (re)conhecendo Cazuza. Mas o que vocês estão fazendo, galera, não é lá muito diferente. Também recebi o email e só pude dar risada, mas logo procurando pelo nome da tal psicóloga aparece na primeira página um site que não posso acessar, que pelo jeito desmente a coisa toda. Chequem.

    ResponderExcluir
  5. Os pais são sim responsáveis pela educação que temos, mas não pelas escolhas que fazemos quando adquirimos conhecimento das coisas que nos cercam na sociedade a qual estamos inseridos.
    Então por que julgar um cara como Cazuza?
    Você sabe os problemas que o levaram a agir da forma com a qual ele agia?
    Acho que não.
    O que o filme retrata é a poesia e a intensidade do ser complexo que ele era apesar de todos os seus problemas, a forma linda como ele conseguia falar de amor...
    Ou você acha que o fato do pai dele ser dono da Som Livre o torna um pai herói?
    Também acho que não.
    Se não quer que sua filha assista o que provavelmente ela verá com os próprios olhos futuramente, dê a educação que acha correta...
    Sem julgar pessoas, ou fatos nos quais a senhora só teve conhecimento limitado de uma obra cinematográfica, que apesar de nos levar a um mundo verídico... não faz com que conheçamos o interior das pessoas...
    Ah... E dizer NÃO as vezes resulta em tragédias muito maiores... Ou a senhora pensa que sua filha nunca irá atingir a maior idade?
    Então não jogue pedra no telhado dos outros... Pois como mãe o seu é de vidro.


    Luana.

    ResponderExcluir
  6. Ele foi um heroi sim, da música brasileira. Se o pai dele era produtor ou não, não faz diferença, já que a sua voz e a sua criatividade eram incomparáveis. A vida dele foi errônia mesmo, mas o filme não influenciaria quem tem a cabeça no lugar e no fim ele morre de AIDS, não acho isso um exemplo a ser seguido, portanto o filme não se classifica como um "siga-me", apenas mostra a sua BRILHANTE e curta carreira e também que por ter levado aquela vida, não teve muito tempo para mostrar ao mundo quão bom ele era!

    Bianca.

    ResponderExcluir
  7. Sinto muito que uma pessoa com o título de Psicóloga pense desta forma. Cazuza não foi um idiota, mas sim um sábio, sensível e que viveu da forma que quis, usando o grande presente de Deus, o livre arbítrio. Fez loucuras? Sim o fez, e quem não erra na vida?
    Mas isso não o faz ser mais idiota que a Sra. Karla Christine, com sua formação, mas encapsulada dentro da pequenês do mundo dela.
    Sinto muito que para essa senhora faltou sensibilidade, entendimento, ausência de conceitos e presença de pré-conceito, por sinal, muito, pois escreveu tanta bobagem neste e-mail que eu não ouso repassá-lo. Se depender de mim aqui ele morrerá.
    A overdose a qual Cazuza se referia não eram drogas e sim sabedoria, sensibilidade, presença de espírito, sensatez, inteligência, vida...
    Marginal são aqueles que usufruem do poder que têm nas mãos para enriquecer, os maus políticos, os corrúptos, os estupradores, assassinos que causam dores em tantas famílias, que mexem com crianças pelo simples prazer...
    Cazuza foi e será sempre um poeta mais sábio que esta dona que tem um título de psicóloga. Quem ela acha que é para criticar alguem? Ela não merece essa atenção!!!! Com certeza lhe faltou valores que vão além deste entendimento pequeno que ela aqui colocou. Coitado daqueles que precisarem de seus serviços. Terão uma lavagem celebral enorme e marcas que durarão por toda a vida...
    Se ela não sabe, Cazuza só gravou porque era competente, porque suas músicas eram profundas e cheias de vida, apesar da vida que vivia. Ele não
    precisou do pai para tal, pois o mesmo só reconheceu seu valor depois que, por insistência de um prdutor musical, ouviu suas belas músicas emolduradas por belas poesias na bela voz de Caetano Veloso.

    Concordo com o estudante André quando ele fala que devemos exercitar "nossa reflexão, respeito, gentileza, tolerância."
    Que me perdoem àqueles que compartilham da mesma opinião da Sra. Karla Christine, mestre em Psicologia, mas se não colocarmos nossos filhos para enfrentarem o mundo como é o que será deles?
    Essa é só minha opinião indignada pelas palavras distorcidas daquela senhora.

    Leonardo.

    ResponderExcluir
  8. Cazuza ainda continua sendo um ídolo, de poesia, de letra, de reivindicação política e social, com uma ideologia de vida diferente. Usava drogas? Quantas pessoas você conhece que NÃO usam?! Eles são menos traficantes ou usuários pq não são "famosos"? 50% ou mais do mundo fuma maconha ou já fumou ou vão fumar e/ou usa/ já usou/ vai usar outro tipo de droga!Não é que justifique. Cazuza continua sendo uma pessoa que foi ilegal, no entanto, cabe se perguntar, uma vez em que tantas pessoas no mundo utilizam alguma droga, não seria o caso da legalização da mesma?! Tantos países já fizeram isso, torna o uso mais controlável, as pessoas não necessitam ir contra a lei para utilizar de um prazer que ele o individuo acha que vale a pena, tantos jovens teriam suas vidas por um período maior( vale lembrar da frase do filme tropa de elite "sabe quantas pessoas morrem pra que você consiga acender um baseado?"), menos violência, inexistência ou diminuição brusca de trafico de droga e tantos outros benefícios. Cabe então se perguntar, se no fundo Cazuza era o errado por utilizar drogas como qualquer outro individuo, ou a civilização é hipócrita o suficiente para fingir que ninguém que você conheça utilize e continue atrasado nos direitos individuas de cada ser? Eu voto pela sociedade hipócrita da boa vizinhança, que em tese é totalmente contra as drogas mas, quando chega na prática, não é isso que vemos como realidade. Além disso, se nada sabemos deste mundo, quem garante que não podemos ou podemos algo, quem dita? Eu voto na democracia, na maioria e, nesse caso, a maioria prova que a lei é estúpida e CAZUZA, é só mais um brasileiro a infringir a lei.Portanto, não seremos mais hipócritas ainda, brasileiro e LEI? Não te deixa coma sensação de impunidade? É triste falar, mas no Brasil, a lei vai quase de que de acordo com o humor ou interesse de quem esta com o poder de exerce-la na mão. Então não me venha com argumento de como se o mundo fosse acabar ou o fato de trazer drogas de outro país torna alguém traficante. Eu ,ao contrario da lei, vejo como usuário é só uma questão de bom senso - longe de mim esta aqui defendendo o trafico de drogas, no caso, eu só acho injusto a droga não ser uma opção do individuo,sou a favor da legalização.

    ResponderExcluir
  9. A educação dos pais dele? Bom, um filho tem culpa da educação que recebe? Mimado? Ele se mimou?! Ou a culpa de ser um eterno sem limites é dele? Um pouco, fazia parte do seu pensamento de vida, sem limites ate a ultima gota ou, como os 50% do mundo, ate a ultima ponta! Mas não é do direito de cada um ter a vida que lhe ache mais proveitosa? Uns acham que trabalhar 14 horas por dia e montar num cofre de dinheiro que lhe traga a segurança de uma velhice que ele nem pode garantir que vai aproveitar é a ideologia de vida mais plausível do mundo. Cazuza era só um jovem, como muitos na fase rebelde, que acha que pode mudar o mundo e as pessoas, mas a maioria sempre vence. Não é à toa que as pessoas julgam o fato dele querer aproveitar cada minuto de sua vida e achar que o modo mais interessante de viver era através de bebedeiras, bacanais, musica e drogas. Afinal, a vida é de quem?! Quem vai morrer de Aids? Quem pegou Aids através dele, não foi através de ignorância por livre e espontânea vontade?Ou vai me dizer que a culpa é dele também?! Só ele que não se preveniu? Quem vai passar mais parte da sua vida fora de si?! E quem é alguém pra julgar que o estilo de vida que ele escolheu viver é melhor ou pior do estilo de vida que você guia a sua vida?! Acho que as pessoas são tão acostumadas com o normal, o seguro, discreto, que quando alguém desvia do caminho, é o maior absurdo! Porque o pensar diferente choca tanto?! Porque alguém não pode gostar de bacanal? E vamos ser menos hipócritas ainda, que é que não gosta de uma sacanagem? Uma boa putaria, isso mesmo, nesse vocabulário. As pessoas costumam se inibir, esconder suas vontades. São umas enrustidas!Parece que putaria só acontece no mês de fevereiro, onde as pessoas se permitem infringir as regras morais.Grande mentira! A verdade nua e crua é que todo mundo sente tesão, a grande maioria adoraria participar de um bacanal e pequena é a pessoa que julga como um absurdo o ato, mais quando deita na cama só pensa em quanto gostaria de estar praticando um sexo selvagem. Só pode pensar? Só pensar é pecar menos, é ser menos safado?! Poupe-me, falso moralismo eu não agüento.

    ResponderExcluir
  10. Culpar o filme por uma adolescente ter curiosidade a drogas e sexo? Mais uma hipocrisia? A vida esta de portas escancaradas para uma adolescente saber tudo que ela pode fazer. Se fosse em outros tempos eu ate pensaria em concordar, agora nos dias atuais? Globalização,internet, tudo tão fácil...morando no Brasil então?! Bebe-se em qualquer esquina, em todos os grupos tem gente com droga. Putaria? Ah verdade, adolescente não pensam em putaria e sexo! Se estiverem pensando podem começar a procurar seus advogados e processar os produtores do filme CAZUZA, porque é tudo culpa deles! TUDO! Preciso ser mais irônica para alguém se tocar o quanto absurdo é esse pensamento?! Cazuza, como qualquer ser humano teve seus acertos e erros, acontece que em muitos aspectos e, principalmente, através de suas letras, reivindicou muita coisa, disse muitas verdades que as pessoas lutam pra esconder fracassadamente em baixo dos panos. Compara-lo a marginal? A Fernandinho Beira-mar?! Não é possível quem uma pessoa estudada, formada e adulta, consiga se pronunciar de uma forma tão ignorante! Eu teria vergonha, pelo menos guardaria escondida atrás da putaria, numa gaveta esquecida, lá junto com todos os outros pensamentos e vontades. Inadmissível é alguém reduzir cazuza a marginal por fazer putarias e utilizar drogas. E com todo respeito se eu pudesse e tivesse tido a sorte de nascer filha de um pai milionário eu optaria por não trabalhar! Porque trabalhar? Pra ser digno, tem que trabalhar? Pra merecer aproveitar a vida?! Aposto que se todos tivessem a oportunidade de não trabalhar e só aproveitar pessoas e a vida, cada um a seu modo, todos ou quase todos optariam por só aproveitar a vida!

    ResponderExcluir
  11. Pensamento invejoso esse de que Cazuza não é digno de um filme ou não pode ser valorizado e admirado porque nunca teve sua carteira assinada! Cazuza é um símbolo de evolução, de pensamento aberto, jovem, que pensou em mudar o mundo e suas linhas retas e pensamentos limitados. Continua sendo um ídolo, continua sendo um compositor maravilhoso, um poeta. A verdade é que as pessoas têm medo de sentir, tem medo de chorar, de sentir dor, de errar..Eu acho que o errar pode ser muito mais vantajoso para o individuo que o acertar em muitos casos, a vida não é só de sorriso e aplausos. A saudade,a dor e a angustia que sentimos quando ela nos invade, não vale a pena com o sentimento de sentir falta ou a alegria de ter de volta? Não é muito melhor do que ter sempre aquilo ou alguém ali? As pessoas têm medo de se entregar na vida, de pensar besteiras, de falar besteiras. Pensamento pequeno. Estamos aí gente perambulando por algo que chamamos de mundo e a única verdade é a que não existe verdade nenhuma. Certo e errado? Esses conceitos ficam para os religiosos, para os que acham que vão para o céu ou vão queimar no mármore do inferno. Quem não se encaixa, QUE NÃO SE ENCAIXE! A graça é justamente não se encaixar, causar. Sentir que você pode fazer a diferença na vida de uma outra pessoa que não faz parte do seu corpo e mente. Se você bebe, fuma, é atleta, gordo, magro, isso é secundário. É claro que cada um pode ser ou fazer o que quiser, desde que consiga arcar com a conseqüência das suas escolhas. Cazuza no caso, teve que arcar com o preço das escolhas dele. No caso, dele pagou com a própria vida. O mais importante disso tudo, é que ele pagou com a vida dele e só com a dele. A herança que alguns dimuniram para uma imagem de mimado e marginal, é o que as letras dele te faz sentir, o que elas te fazem pensar. O resto?! As drogas, putaria e bebida, ficam como herança de aprendizado, de pesar se realmente vale a pena.E se alguém achar que ainda sim vale a pena pagar com o tempo de vida as drogas, o sexo desenfreado e a bebida, cabe somente a pessoa que escolheu isso como vida - e claro, a culpa não é do cazuza.Parece ate que ele que inventou as drogas e a bebedeira. Aos outros, não cabe julgamento algum.


    Viva a CAZUZA e todos os bons sentimentos ou as horas de reflexão que ele me permitiu através de sua poesia e sua ideologia.


    LEU? Então vê com que texto você concorda mais!
    Gabriela Côrtes de Sá

    ResponderExcluir
  12. "Este texto foi criado a partir de um e-mail recebido, cuja suposta autora seria uma mãe, e também profissional em psicologia clínica, chamada Karla Christine." (Fragmento do início da postagem).

    Não atacamos diretamente uma pessoa em específico, mas criticamos o conteúdo dito por alguém que intitulou o texto a tal pessoa. Devo esclarecer que concordo que se existe, realmente, uma psicóloga com este nome e que se ela não foi a autora daquele texto foi algo sério a falsa autoria e o peso das palavras que foram a ela direcionadas. Não obstante, a preocupação ali esteve mais voltada ao debate dos pensamentos do que a uma possível imposição que fizeram a esta cidadã.

    Antes de escrevê-lo, procurei informações a respeito desta profissional. Infelizmente, não obtive sucesso, porém nem por isso achei viável não expor uma opinião a respeito do conteúdo que, por ser tão polêmico e cercado de um fundo que preocupa tantas pessoas, acaba por fazer confundir a mente de tantos, justamente por não perceberem que certos temas não podem ser adequadamente retratados de forma tão generalizada e injusta. Tive apenas a intenção de que aquele que não teve a oportunidade de ouvir um ponto de vista diferente pudesse tê-la e, assim, percebesse que o assunto permite que possa analisar a situação por novos ângulos. Se Karla Christine existe ela tem total direito de se defender.

    ResponderExcluir
  13. Percebe-se que os assuntos retratados naquele e-mail abrem muitas janelas para problemas e situações de análise brusca e preconceituosa. Ao mesmo tempo, permite que nos expressemos a respeito disso, afinal não nascemos esponjas para absorver tudo o que nos é oferecido: temos o direito, e talvez até o dever, de assimilar idéias, questioná-las e passar adiante os nossos pensamentos a respeito.

    Não sei como cada um de vocês chegou a esta postagem, mas, sinceramente, fiquei muito contente com a leitura feita por tantas pessoas e, especialmente, com a participação e a livre expressão de pensamentos; é a primeira vez que algo que escrevi gera alguma repercussão. Obrigado pela colaboração, pelo enriquecimento deste blog e pelo fortalecimento do ideal.

    Sintam-se a vontade.

    ResponderExcluir
  14. Quando recebi a carta dessa psicóloga na minha caixa de e-mail, logo vi que era mais uma maniqueista , julgando o que é de Deus e o que não é. Do mesmo jeito que foi a historia do devasso Cazuza, poderia ter sido a história do devasso Davi (sim, Davi o da Bíblia). Como seria bom para os pseudo-crentes ver Davi na telona "esbagaçando" a mulher de Urias e dizer: Nossa como foi errônea a educação desse rei!
    Cazuza foi um dos maiores poetas de sua geração. Sua indignação com o sistema falido que aí está ( e quando digo sistema incluo a IGREJA) era de uma crueza e veracidade maior do que muitos ditos justos por aí. Quando é que esses pseudo-salvos vão entender que Deus não se deixa subjugar? Deus não é obra literária e nem musical para que homens detenham seu direito autoral. Agradeço a Ele todos os dias por Ele não pensar como o homem; por não pensar como essa psicologa. Ligo a TV e vejo os tele-pastores, os auto-intitulados apóstolos, os sedentos por "almas" que tenham grana no bolso, cada dia com uma nova "unção", um novo projeto de posse do bairro, da cidade, do país. Todo ano, é o ano de alguma coisa: o ano de Elias, de José, de Eliseu, das portas abertas...até os locais de oferendas das religiões afro-brasileiras são disputados palmo a palmo com os tais atos proféticos. é uma "enterração" de estaca que não se vê nem em filme de vampiros.
    São Pessoas como essa psicologa, que a cada dia afastam dos templos os que poderiam realmente servir a Deus. Só restam em seus falidos bancos, em sua maioria, os hipócritas, os que viram pra sua família e dizem: “Se não vierem comigo, vão pocar nos infernos”. Triste realidade essa a da igreja hoje em dia. Tem apenas 500 anos, mas já fez tanta merda. O mais engraçado de tudo é isso...rsrsr. Quer dizer que antes de Lutero ter descoberto a “pólvora” todo mundo tinha sido destinado ao fogo eterno?
    As intenções de Lutero, além de políticas, eram totalmente sexuais. Coincidentemente casou com uma freira após a saída da igreja. Casou no papel...porque debaixo da batina já estava “rolando” há muito tempo.

    Voltando a Cazuza, que por sua sinceridade, era mais profeta que muito profeta por aí. Deixo aqui a ultima música, do último lado, do último disco dele:

    “Tem gente que recebe de Deus quando canta
    tem gente que canta procurando Deus...
    Eu sou assim, com minha voz desafinada...
    Peço a Deus que me perdoe...no camarim.”

    (Quando Eu estiver Cantando – Cazuza)

    Sim Cazuza, creio na misericórdia de Deus na sua vida, mais do que na vida dos fariseus que aplaudem a carta dessa psicologa.

    Ela, falando da sua vida assim, me lembra uma passagem bíblica em que os fariseus batiam no peito e diziam: «Obrigado, Senhor, porque não sou como ele, ela ou eles. Tenho a sorte de não pertencer aquela família, pais ou raça; é bom para mim não frequentar certas companhias ou grupos». (LC 18:3)

    Sim, cara psicologa, a senhora precisa rever seus valores. E por falar em valores: poste aqui o endereço do seu consultório para que eu e outros adoradores da Verdade não sentemos por engano no seu divã fascista.

    W. Santos

    ResponderExcluir
  15. A psicologa certamente não possui uma alma poética... é a típica mãe repressora , que cria os filhos de acordo com um manual de instrução, como se fossem robôs.
    O Cazuza era leve e alegre. E a alegria da melancolia não é qualquer pessoa que consegue captar , é uma alegria mais profunda , mais introspectiva , uma alegria pura e sincera que seres superficiais e não intensos jamais seriam capazes de sentir .
    Cazuza é o maior poeta dos anos 80. Cazuza tinha o dom de compor , isso é inegável .
    é uma pena existir uma psicologa tão careta... que julga a educação que os pais dão pros filhos sem conhecer a história a fundo , um verdadeiro afronto a profissão da mesma inclusive , que deveria rasgar o diploma na minha opinião.
    Minha senhora , com todo respeito , Deus sabe o que faz e graças a Deus Cazuza não nasceu seu filho , porque se não certamente aí sim... teria se tornado um adulto frustado, cheio de freios e com a personalidade cortada, pelas suas influências pré determinadas , de acordo com aquele velho manual de instrução , que na vida real não serve pra nada.
    Tenho pena dos seus filhos.

    ResponderExcluir
  16. Quem é Karla Christine?
    Aguem que quer o Ibope do Cazuza!

    Para quem quer ter Ibope nada melhor do que mexer com um assunto como esse!

    Porque esta moça não fala da mente dos nossos Governantes?

    Não da Ibope né!

    ResponderExcluir
  17. Meuuuuuuuuu Deuuuuuuussss! A Santa Inquisição continua a existir. Apenas mudaram os métodos!

    ResponderExcluir
  18. Uma PSICOLOGA tem que saber OUVIR!!! Vamos la... "Meus heróis morreram de overdose, meus inimigos ainda estão no poder... Ideologia, EU QUERO UMA PRA VIVER"
    Sequer a frase ela ouviu ate o final... na musica ele pede ajuda, diz que a ideologia dele nao funcionou e que ele quer OUTRA para viver!!! E um EXEMPLO sim, um estilo de vida que NAAAAO deve ser seguido conforme ele mesmo diz na letra da musica... "meu sex'n Drugs, n tem nenhum Rock and Roll" "Eu vou pagar a conta do analista, pra nunca mais saber quem eu sou" "aquele garoto que queria mudar o mundo agora assiste tudo de cima do muro"(pois vai partir)... Sorte a dele que ele pagou a conta de uma analista mais competente que essa Karla Christine do caralho!!! hahaha... QUEM FOI QUE DEU O CRP pra ela? Foi um erro!!! hahahauauaua

    ResponderExcluir
  19. Primeiro: quem é essa Karla Christine? Segundo: Quem se importa com o que essa mulherzinha sem classe pensa? Afinal, ela não conheceu Cazuza e tenho certeza que essa psicóloga com diploma comprado é apenas mãe de um pivetinho sem talento que não consegue ter mais de dois acessos no site YouTube com um vídeozinho miserável. Eu até entendo a inveja que ela tenha, porque Cazuza foi realmente um cantor de grande sucesso e mereceu, sim, um filme. O pior de tudo é difamar o talento do cantor reconhecido no país inteiro e até hoje relembrado. Então nos perguntamos, essa crítica deve ser realmente levada em conta? Por que nos preocuparmos com uma pessoa totalmente anônima, ignorante, e sem cultura?

    ResponderExcluir
  20. Karla os caras q morreram de overdose se drogavam por ingnação... , por querer esquecer tanta hipocrisia, corrupção, claro q não era a melhor atitude a se tomar até pq isso não resolveu nada, mas enfim eram os únicos que tinham coragem d ser eles mesmos, e não viver c a preocupação de alimentar o q os outros queriam p eles...não viviam d aparências, eram eles pronto e acabou, doesse a quem doesse, pelo visto ela se doeu bastante...

    Se ela vive como todo mundo quer q ela viva, e quer q os filhos viva como ela e todo mundo quer...méritos p ela, no mundo dela!!! O que seria o ídolo certo p ela?...Latino?....será q a filha dela não dança a Dança da Bicicletinha?....será que o certo é julgar, ser o q não é e o q não gosta p falar q esta dentro dos padrões?....e o errado?....será que é ter contida na letra de uma música a transparência dos seres?...os mistérios, as vontades, a admiração....?...Talvez ela já tenha perdido o senso d realidade...ou quer entrar na mente p lançar uma campanha contra a vida pessoal do incrível Cazuza, p de repente se "enomecer" disso...tadinha!!!

    Por mais q ela queira passar uma lição de moral pelo modo como Lucinha e João Araújo criaram Cazuza, cada ser é individual nessa terra, somente eles sabem se eles educaram bem ou não, no q faltou e no q sobrou...agora cabe a ela e cada um d nós observar e aplicar o q funciona c nossos filhos, se liberdade ou prisão, se liberdade + prisão..e não acatar como só um desses metódos como verdade absoluta....

    Essa frase é em homenagem a ela, Drª Karla Christine.

    O estado de Lucidez, não depende da idade, mas de como as pessoas lidam com os fatos da vida. Quanto mais a pessoa desenvolver o senso de realidade mais lúcida ficará. Por outro lado se der mais importância as aparências, reprimindo o que sente, querendo entrar nos papéis sociais, perderá a lucidez.
    Pelo espiríto Lucius ( Zíbia Gaspareto)



    Joícÿ Costìm
    joicycostim@hotmail.com

    ResponderExcluir
  21. Podem falar o que quiserem de Cazuza, ele vai continuar sendo um ídolo pra mim, um poeta!!!!
    Sou adolescente, cresci ouvindo cazuza e sempre conheci a sua história, mesmo assim, não uso drogas e tenho total consciência de que é errado!!

    ResponderExcluir
  22. Que bela sociedade temos para compararmos e termos como exemplo!
    Atire a primeira pedra os não marginais segundo nossas lêis brasileiras! Coitado do pessoal la em brasília! Querer crusificar alguem que opitou por ete estilo de vida! è realmente de uma burrice incondicional. Cultuar Cazuza? O filme retrata as clareza de uma opção do personagem. Insentivo e opção a usar as drogas temos em todo o momento e instante. E não acredito q a filha dessa tal Psicologa vá utlizar drogas por causa do filme, p q se for isso mostra tambem o quanto um mau mãe ela é!

    ResponderExcluir
  23. Depois que o André (primeira opinião da página) escreveu este texto tão bonito, que não é apenas um texto de alguém que tem muito talento para escrever mas alguém com uma maturidade e opinião muito interessante. Uma pessoa com quem vale a pena conversar. Eu também tenho vários apontamentos sobre este texto que também acho muito infeliz, mas depois das palavras do André não me resta dizer mais nada, ele falou tudo e muito bem!

    ResponderExcluir
  24. André, estudante, vc é o cara! Sou sua fã!

    ResponderExcluir
  25. 1.Filme para + de 16 anos é alerta à falta de limites. A perspectiva de quem viu faz diferença: como profissional ela não sabe disso? 2.A morte do cantor se deu pelo vírus que matou Betinho. O julgamento moral dela se confunde com um discurso que reforça o estigma dos doentes. Ela assina como psicóloga, mas só desabafa - ela é a prova de que há gente sem ética confundido vida profissional e opiniões pessoais.

    ResponderExcluir