terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Gotas

Chuva
Gotas doces
Do céu
Que me incitam
Que me molham
Que se mesclam
Às que vem de mim
E as disfarça

Lágrimas
Gotas salgadas
De mim
À percepção
De sua causa
A incerteza
Do que permanece
Aonde ir
Por que estar

Discorro a mim as mágoas
Águas
Tão sujeitas 
Descem
As sinto
Ambas as espécies
Em meu paladar

À natureza viva
Ergo meu olhar
Nuvens também se entristecem
Sinto
Sinto tal vida em mim

E é por este soluço 
Pulsante do céu
Que choro

Chove

Nenhum comentário:

Postar um comentário